quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

A viagem



Alguns dias antes da minha partida estava tentando escrever um texto sobre os meus sonhos de adolescente, o de viajar  o mundo. Parei para refletir e percebi que já viajei muito e conheci muito mesmo sem nem me dar conta. O meu sonho era o de viajar pelo mundo em uma excursão sem destino certo , assim como naquele desenho animado "volta ao mundo em 80 dias".

 Bem, as minhas idas e vindas não foram em 80 dias ,mas a volta ao mundo já aconteceu várias vezes, afinal, viajar do Brasil ao Japão é uma verdade volta ao mundo com todas conexões que fiz por vários continentes , creio que posso dizer que já estou realizando  o meu sonho de adolescente ha muito tempo e nem percebi. 

Estados Unidos, Emirados Arabes, Finlandia, Milão, Roma, Veneza, Frankfurt, e sei lá mais quantos aeroportos, sem contar as minhas idas e vindas para a Suiça , passando sempre pela Itália em voos de conexão, de carro ou em moto. Viajei pra caramba , conheci tantos lugares, tantas culturas e nem percebi. 

Desta vez o meu voo com conexao em Stambul na Turquia me guardava mais uma surpresa, uma estadia gratis em um hotel de Stambul. Meu voo chegou atrasado e eu perdi a conexão para o Japão, aquilo que seria um grande inconveniente se tornou em mais um passeio por terras estranhas . 

Um dia inteiro no lado oriental da Turquia com tudo pago pela companhia aérea, incluindo café da manhã, almoço , jantar e traslado até ao aeroporto. Para aproveitar a "má sorte" contratei um tour pela cidade e fui conhecer o estreito de Bósforo. O passeio era quase todo por mar ( entre o mar negro e o mar de Mármara) , mas aquilo que eu queria ver mesmo era o povo turco andando nas ruas. 

A Turquia é linda, tudo parece transpirar história , mas o lado oriental é um pouco cinza demais, ou seja, as pessoas usam muitas roupas escuras  e o numero de homens andando nas ruas é bem maior do que o de mulheres, vi apenas algumas mulheres andando sozinhas nas ruas sem aquele lenço na cabeça o tal do hejab, mas não sei dizer se eram turcas ou de uma outra nacionalidade, turistas é que não eram. No trajeto de volta ao hotel havia muito, mas muito trânsito e em alguns pontos do suburbio da cidade pude notar a pobreza desse povo, parecia que eu estava vendo a favela da roçinha turca . Dizem que o lado ocidental é completamente diferente e muito mais cosmopolita , ainda não tive a oportunidade de conhecer. Quem sabe um dia!

Ah, um detalhe que percebi na equipe do hotel e até mesmo no voo da Turkish, os turcos adoram o Brasil, pelo menos foi o que eu percebi. 

Enfim, quanta aventura e quanta coisa se pode viver em apenas um voo de conexão quando o coração é aberto para o novo e sabe apreciar as pequenas surpresas da vida. Fiz amizades no voo , conversei em espanhol , italiano , e vejam só, me virei bem com o meu inglês básico tanto no hotel quanto no aeroporto , e de quebra servi de interprete para outros brasileiros. Tô podendo!

Fiquei muito orgulhosa de mim mesma, o meu ingles é péssimo, mas a minha vontade de me comunicar com as pessoas , unida a necessidade do momento em me virar e ajudar a outros conterrâneos que cruzaram pelo meu caminho foi maior do que a vergonha de falar errado . E olha que eu falei errado e entendi errado várias vezes, mas a satisfação de poder ser ùtil para aqueles que não se comunicavam nem em inglês de Tarzan e nem em japonês foi imensa!

Encerrei o meu ano de 2015 com chave de ouro. E que 2016 venha com tudo novo, não apenas nos acontecimentos corriqueiros como também nos meus relacionamentos e principalmente na minha postura e mentalidade em relação a vida com todos os seus imprevistos e oportunidades. 

Hotel Marriot em Stambul - Turquia 


Vista da cidade , ao fundo a ponte que divide as duas Turquias. 

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Anjo mau



Quem possue a Lua em Escorpião sabe muito bem que manter a calma é sempre uma tarefa muito difícil. Por mais que eu me policie, tem vezes que sei lá de onde vem aquela ira incontrolável, seguida de atitudes intempestivas . Meu Deus! O pior de nós nunca melhora com o passar do tempo, ela pode ficar camuflada em algum lugar, mas ela não melhora. Tem até logica ne! Como é que o pior pode ser melhor, ou menos pior?

As vezes tenho vontade de regredir todo este meu processo de autoconhecimento e busca por harmonia e espiritualização pra voltar a ser a "selvagem" que sempre fui. Estou começando a sentir falta desse meu lado selvagem e ruim. Não dá pra ser ruim pela metade, é como frear o carro a 100 p/h , dar aquela engasgada e deixar o motor morrer. 

Na minha busca por harmonia e equilibrio andei matando um pouco de mim à cada dia. É serà que isso é mesmo necessário? Matar um pouco de sí para harmonizar com o meio em que vivemos?

As vezes eu penso que nada disso vale a pena, e que nós deveríamos  ser exatamemte aquilo que somos . Se você é rude, continue rude, se você é egoísta continue assim, e se você é do mal continue assim, porque não existe nada pior neste mundo do que se sentir uma metade de sí mesmo. Portanto, se você for ruim, seja ruim à 100%, pra depois não ficar se sentindo um "babaca" dando uma de bonzinho, e indo contra a sua natureza. 

Conselho, seja sempre você mesmo. Aceita que dói menos!

domingo, 20 de dezembro de 2015

Amor verdadeiro



Há anos venho tentando escrever algo sobre o tal do "amor verdadeiro" e nunca consigo. Claro, para escrever sobre este assunto é preciso ter vivido tal experiência ou no minimo ter uma alma poética. Infelizmente no meu caso , nem uma , nem outra . 

Por um tempo até acreditei que o "amor verdadeiro" pudesse acontecer para mim, mas com o passar do tempo percebi que o tal "amor verdadeiro" que eu tanto desejava era um conto de fadas. A minha idēia de um "amore vero" era muito novelesca , ou seja, a minha experiência no amor era praticamemte nula e aquilo que eu aprendi foi nas fotonovelas dos anos 80 e nos desenhos da Disney.

Custei a entender que o amor vem da capacidade de amar de cada um, e que ele nunca vem de presente pra ficar pra sempre. O amor oscila e nem sempre é incondicional.

Amor de maē, tão pouco é incondicional . Ilude-se quem pensa que todas as maēs são programadas para amar aos seus filhos incondicionalmente. Não questiono o instinto maternal de salvar um filho em risco, de dar a propria vida , mas no dia-a-dia a coisa é bem diferente. Amor de um filho pelos pais então, piorou. O amor que damos depende muito do amor que recebemos ainda no ventre materno. 

O amor verdadeiro existe sim, mas nem todas as pessoas são capazes de cultiva-lo simplesmente pelo fáto de nunca terem provado dele. Pior ainda quando se trata de uma pessoa que além de ter nascido no seio de uma familia fria ainda tem o azar de nascer com a Venus em Capricornio. 

Em algum momento da vida eu achei que não era capaz de amar a ninguém incondicionalmente, afinal de contas, nasci em uma familia japonesa e ainda de quebra Capricorniana. Juntou a frieza nas expressões de afeto com a racionalidade Capricorniana e deu no que deu. Nunca amei ninguém na vida, na verdade eu achava que amava, mas era só apego, paixão e alguns equivocos.

Fui aprender só um pouquinho sobre o amor no convivio com um pequeno ser de quatro patas que entre lambidas, abanos de rabo e rosnadas , me ensinou o que é o amor incondicional e a lealdade. 

Até o momento ( e olha que eu ja vivi muito) , é apenas este pequeno ser de quatro patas que conseguiu encher os meus olhos de lágrimas de saudades. É também o único ser vivo que quase quebrou a pata ao pular de uma cadeira e correr em minha direção quando me viu chegar. É o único ser vivo que me olha fixo nos olhos , como se quisesse me desvendar e depois simplesmente deita a cabeçinha no meu ombro e suspira. 

Será que um dia serei capaz de sentir tanto amor assim por um ser com menos de quatro patas? Acredito que não. O amor e a lealdade dos caēs é muito diferente do amor humano, e talvez o ser humano nem seja capaz de tanto amor assim . O ser humano é muito ocupado e nem caberia em sí de tanto amor, seria quase um idiota.

Conclusao: existem amores e amores. Comparar o amor daqueles pequenos seres de quatro patas á capacidade de um ser humano de amar é covardia. O ser humano é o único animal racional, portanto, nunca poderá amar como os anjinhos de quatro patas. Razão não combina com amor. 

O ser humano sempre irá nos decepcionar ou impor condiçōes em algum momento, e isto é o normal. Anormal é viver sonhando com contos de fadas e querer amar a alguém feito um ser de quatro patas.


Partir é preciso



Tudo corria aparentemente bem, só que não. 
Faltando apenas uma semana para a minha viagem de regresso ao Japão e o inevitável aconteceu. Mais uma discussão familiar. E tudo o que eu queria era me despedir de todos , assim, como quem vai até Atibaia e volta logo. 

Despedidas são imensamente tristes e em algumas ocasiões , ao menos para mim, traumatizantes. Tento ao máximo evitar que familiares proximos estejam no aeroporto porque é doloroso demais, mas por muitas ocasiões fui mal interpretada, taxada de fria e indiferente por querer sempre ir embora sozinha, pegar um taxi, um ônibus executivo e dizer adeus apenas para as paredes e o portão de embarque. 

Para nós que vivemos do outro lado do oceano, por vontade própria ou por falta de escolha, desapegar-se de quem fica se torna crucial para a própria saúde fisica e mental. Costumo dizer que criei uma couraça, uma casca grossa para suportar a distância e a solidão de viver longe, bem longe de onde viemos. Apesar desta couraça, e de tantas idas e vindas , ainda é muito triste partir. 

Quando partimos sempre deixamos algo para trás, não importa se foram apenas paisagens, pontos turîsticos , amigos ou familiares. 

O dia do meu tão esperado embarque está chegando, e por mais que eu esteja habituada a administrar friamente e racionalmente as minhas idas e vindas, o meu coração ainda fica muito apertado. 

Eh, se tem uma cena na minha vida que parece verdadeiramente tirada de uma novela dramática mexicana, esta cena é a do embarque no aeroporto. Estranhamente, aquela sensação dolorosa do "partir" vai se amenizando quando entramos no avião. Pelo menos para mim, tem gente que começa outro drama dentro do vôo. Para mim é como se fosse um divisor de àguas e lá no portão de embarque vou me despindo de tudo que ficou e me preparando para o novo. Sei lá, assim é mais fácil administrar a dor de partir. Não penso em quem ficou, penso apenas em quem irei reencontrar . 

Pior do que ter que administrar a dor de ter que partir , é partir com o coração despedaçado após conflitos    familiares, sempre vai doer mais para aquele que partiu sozinho, podes crer. 

Mais uma vez terei que usar o meu divisor de àguas , o portão de embarque, para deixar um pouco desta dor para trás, nas paredes , nos corredores . Visto então, a minha couraça ( casca grossa) e sigo em frente, sem olhar para tràs. Uma lágrima sempre escorre pelo rosto, é de praxe...mas ninguém vê, só as paredes do embarque.

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Preguiça verbal



Tenho percebido em mim um certo hábito de contactar as pessoas somente por mesagens. É um tal de recadinhos pelo messenger, saudações pelo facebook e bate -papos pelo Skype sem àudio. Ah, falta o whatszaap que não baixei no meu celular brasileiro porque ele não tem memória o suficiente. 

No começo foi apenas  uma questão de economia, afinal, mandar mensagens é muito mais barato do que fazer ligações pelo celular. No Japão já aboli o telefone fixo, optando por um celular pre-pago e um Ipad com conexão 3G . A maioria dos meus amigos me contactam por messenger porque eu dificilmente atendo o celular, a não ser que eu esteja esperando alguma chamada, caso contrário o deixo desligado , ou simplesmente esqueço de carregar a bateria. 

Aos poucos , a tal "economia" se converteu em preguiça. Sim, preguiça de falar ao telefone. Fui percebendo com o tempo que as mensagens de texto eram muito mais eficientes, ou seja, se você precisa cancelar um compromisso e não está lá com muita vontade de ficar se desculpando ( dá preguiça) , basta mandar uma mensagem de desculpas e um emoji com uma carinha triste...et voalà!

Se a pessoa que recebeu a mensagem ficou chateada ou não , com o inconveniente de desmarcar um compromisso em cima da hora , será um problema apenas dela porque a mensagem de desculpas já foi enviada e você nem vai ter que fazer aquela cara (forçada) de quem está chateadíssimo também, porque na realidade você nem está aí. Facil não?

Aos poucos vamos nos habituando a este tipo de conversação escrita e quando recebemos uma chamada telefônica nos apercebemos da falta de paciência em falar por mais de 10 minutos ao telefone e a falta de "emojis" na conversa. 

Rir mentalmente se tornou  um hábito e aquelas expressões escritas do tipo : " "hahaha" ou " kkkkkk" não tem a mesma simbologia ou expressão nas conversas verbais. O " kkkkkk" verbal perde a força, fica curto e sem graça. 

Camuflar a agressividade e o mau humor também é outra facilidade nas conversas digitais. Ninguém vai perceber que você está de pijama , com olheiras, descabelado (a) e com um humor terrível em pleno sabadão à noite . Basta clicar em vários "emojis" sorridentes e escrever pouco.

Com tantas facilidades virtuais e digitais, quem é que está disposto a ficar mais de meia hora ao telefone fazendo uma "social"? Tem gente que adora, eu já não. 

Isto não quer dizer que eu não goste de uma  boa conversa "face to face" regada a uma taça de vinho,  em algum lugar simpático e aconchegante com gente simpática e interessante, é apenas a preguiça de falar verbalmente à distância que tomou conta de mim. 

A culpa é dos "emojis" , kkkkkkkkk ( curto, sem som e com um leve franzir de testa).


terça-feira, 10 de novembro de 2015

Nada é por àcaso



As pessoas mudam, mas os planos nem sempre...

Estrategista, esta é uma palavra que me definiria muito bem, afinal, eu me considero 100 % capricorniana , e todo bom Capricorniano além de realista é um grande estrategista. 

Muitas coisas mudaram na minha vida e na minha visão de vida como um todo no decorrer dos ùltimos anos. Segui a massa, tentando ser igual a todo mundo . Não deu certo. Decidi então, ser eu mesma. Não que tenha dado certo, mas os caminhos que decidi percorrer foram muito mais emocionantes e interessantes, quanto a isso , não restam dúvidas. 

Muita gente me chamou de louca, doida e irresponsável, mas ninguém sabia que todos os caminhos tortos ( divertidíssimos) que percorri faziam parte da minha estratégia. Sim, apesar de não parecer, tenho planos bem claros e objetivos pra aquilo que quero pra minha vida, e tudo, absolutamente tudo que faço tem uma razão, uma meta, uma estratégia muito bem pensada. 

Nas minhas horas de folga aqui em terras tupiniquins ando atualizando o meu perfil nas redes de relacionamentos e respondendo docemente e educadamente a todos que me escrevem de Portugal, da Italia, Espanha, Suiça e até mesmo dos Estados Unidos. Para quem me vê tão ociosa , respondendo a mensagens que chegam de todas as partes do mundo, parece ser apenas uma distração ( não deixa de ser) , mas para quem é estrategista e até mesmo oportunista ( no bom sentido) , nada é feito ao acaso. 

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Tédio




Creio que nunca vivi um periodo tão longo e tedioso como este, ou será que já? 
O pior é que o tédio sempre vem acompanhado de uma boa over-dose de ansiedade que sei lá por que cargas d'agua vem junto com uma preguiça braba, daquelas que não dá vontade nem de ter esperança pra ver amanhecer um mundo melhor.

É , o grau da minha ansiedade está braba. Ainda tenho algumas amigas pra rever, mas sei lá , não estou com vontade de ir reve-las. Em compensação, estou louca pra rever minhas amigas que estão no Japão, voltar a trabalhar, redefinir minha residência,pagar meus impostos, minhas contas que já devem estar bem atrasadinhas e voltar a ser produtiva. Tres meses de saldo negativo, ou seja, só gastando e me dando ao luxo de pagar meu tratamento dentário em dolares. 

Nem yoga, nem meditação , nem chazinho de camomila. As energias marcianas do momento pedem ação e não tranquilidade e relaxamento. As vezes buscamos nestes metodos misticos espirituais a solução para as nossas aflições, mas aquilo que resolve eficazmente toda essa comichão é "andare via" , ou "andare avante", ou andare pra onde for. Enfim, movimento , e de preferência algo que dê lucro a curto prazo.

É nestas horas de ócio em terras tupiniquins que eu me dou conta do quanto sou feliz , do quanto eu me resolvo sozinha e do quanto a vida responde rápido estando lá do outro lado do planeta.

Momento de espera e muita, mas muita ansiedade que já se transformou em preguiça. Preguiça de Brasil!








quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Viagens mentais



Jupiter em conjução ao meu Sol Natal trazendo tendências expansivas à minha vida. Pelo menos assim espero!
Enquanto espero, porque este é mais um momento de espera, vou expandindo a minha mente, viajando nas minhas recordações. A cada dia que passo aqui em terras tupiniquins tenho mais certeza de que aqui não é o meu lugar. Não é por nada em específico, mas muitas vezes nascemos em um lugar , cidade ou paîs que nos serve apenas de referência. Raîzes é pra quem quer estar plantado , literalmente enraizado em um mesmo lugar, preso a pessoas, lugares e circunstâncias que tragam um sentimento de segurança , ou seja, apego mesmo. 

Estava olhando as minhas fotos dos ùltimos anos . Meu Deus! Como fui abençoada em poder estar em tantos lugares , em viver tantas emoções ( boas e ruins, às vezes péssimas) , conhecer tanto sobre o mundo , modo de viver, pensar, e o melhor de tudo, conhecer a mim mesma sem levar em consideração aquilo que os outros "acham", pensam ou julgam . Cada ser è unico, e cada pessoa ve o mundo através da sua propria janela.

 Quem nunca viveu a experiência de se aventurar  pelo mundo , se abrir  para o novo e o desconhecido não tem a capacidade de entender quem optou por este modo de viver e administrar a propria vida sem se prender em raízes e memórias. As minhas memórias, eu as levo comigo pra onde eu for . Viver è recordar, e aquele que possui um vasto album de recordações que não se prende  a um unico lugar , pode considerar-se um felizardo.

As vezes me esqueço de agradecer ao Altissimo por todas as bençãos recebidas , por vezes em momentos cruciais que só Ele mesmo pra dar uma força. 

Obrigada Deus por todas as bençãos recebidas e por muito mais que vem pela frente!

terça-feira, 27 de outubro de 2015

Ainda de férias

K

Ociosidade total ha mais de três meses em terras tupiniquins , e o meu grito de guerra neste meu atual   momento é : - Eu não aguento maaaaaaaaaisssss!

Para mim, creio que um mês de férias é o suficiente , o segundo mes já começa a ficar chatinho, a grana vai encurtando, os passeios com os amigos também, e aquilo que resta sempre é aquela maldita preguiça  e a falta do que fazer. 

E pensar que a alguns meses atràs eu estava ralando de um lado ao outro do Japão, fazendo horas extras infinitas, mudanças de um lado ao outro do país. Creio que me mudei umas tres vezes ou mais nestes meses anteriores a minha vinda ao Brasil. A minha vida estava uma loucura de instável, mas as coisas aconteciam muito rapidamente. Em contra-partida, a vida aqui do lado de cá è muito lenta e cheia de demoras. 

Obviamente que se eu estivesse estudando, namorando e trabalhando , o tempo não seria tão longo, mas não é o caso. Não estou à procura de um emprego e nem tão pouco de compromissos , o meu tempo aqui em terras tupiniquins é de pura espera. 

Aí vocês vão dizer (ou pensar) : Mas porque essa daí não aproveita o momento e vai se divertir? 

Pois é, até pra ocupar o tempo e ser feliz é preciso ter no minimo, além de boa vontade, uma reservinha no banco. As minhas reservas ja se esgotaram e agora o jeito é esperar por mais um loooooooongo mes ou mais, afinal, aqui no Brasil quando vai chegando o final do ano o país vai parando . 

Eu quero morrer quando alguém me diz, em pleno mês de Outubro , que agora só no ano que vem. Why????? Como assim? Ainda estamos em Outubro e tem gente que já está querendo empurrar coisas pro ano que vem? Mas quantos meses do ano são considerados produtivos neste país de meu Deus?

Ainda estamos em Outubro e desde Julho tenho visto panetones,chocotones e mais uma infinidade de produtos para o Natal. Eh! Parece que o brasileiro tem pressa , pra  que este ano termine o mais  rapido possivel. Mas como o Brasil é Brasil, já sabemos que o ano termina em Dezembro e só começa o proximo ano depois do Carnaval. 

Não sei quanto aos outros, mas para mim, a pior época do ano para se estar no Brasil é entre novembro até março. Time is money minha gente! E o Brasil vai simplesmente diminuindo...diminuindo...diminuindo a marcha até quase parar. 

Talvez pra quem nunca viveu fora do Brasil a percepção seja outra, mas para nós que ja passamos muitos Natais fora do nosso amado país, a sensação é de uma inércia terrível. Coisa que não ocorre em outros países. Talvez porque lá nos outros países não exista a preparação pro Carnaval. 

Creio que me acostumei tanto com a vida rápida no Japão, que esta morosidade brasileira me incomoda profundamente. 

No momento, aquilo que me resta é respirar, espirar (yoga) e esperar , tentando controlar ao máximo esta ansia que me corroi o estômago. 


segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Capricornio x Saturno

'



Não tem jeito! O mundo acha que nós Capricornianos  somos chatos, inclusive euzinha!

Eu faço  mil buscas na net sobre Astrologia, e quando o assunto é Capricörnio, até mesmo os melhores astrólogos acabam sempre soltando algum comentário depreciativo sobre nós Capricornianos. Uma vez uma astróloga e sensitiva super conhecida na midia fez um comentário sobre os Capricornianos dizendo que somos muito pesados. Ela ainda disse : - Ihhhh, Capricornianos são todos muito complicados porque quase todos são sensitivos e pesados.
Um outro astrólogo estava em um programa da Rede Tv , falando sobre as características de todos os signos e quando chegou no Capricornio ele até mudou o tom da voz para dizer : - Ahhh, Capricornio é terra, muito racional, é frio demais.

Será que sou eu que estou com mania de perseguição ou somos verdadeiramente chatos?

Outro dia na aula de yoga, em meio a tanta gente sorridente, leve e simpática , tinha uma que me pareceu um pouco antipática , mas fiquei na minha porque apesar dela ter um sorriso forçado sempre foi muito educada.  Depois de umas quatro aulas e já acostumadas uma com a presença da outra, estavamos conversando com o professor de yoga quando esta moça meio antipática, meio seca, meio pesada e de sorriso forçado me perguntou qual era o meu signo. Quando eu respondi que era Capricörnio, ela soltou um grito : - Eu sabia!!! Eu sabia que você era Capricorniana! Só podia ser!!!Eu também sou!

Naquele instante eu não sabia se eu ria  , ou se chorava por ela ter se identificado tanto comigo, ou por simplesmente  me observar e  ter me identificado Capricorniana.

E eu que achei ela tão antipática , seca e pesadinha desde a primeira vez que a vi? Eu poderia estar olhando e criticando o meu proprio espelho.

 E se ela me identificou, pior, se identificou comigo como Capricorniana sem nunca ter conversado comigo, apenas me observando nas aulas de yoga, então a coisa tá feia!

As vezes observo o comportamento de alguns amigos e amigas que apesar da intimidade ainda os percebo com um pé  atrás. Como se estivessem se policiando o tempo todo, sendo menos espontâneos, cheios de dedos e formalidades comigo, ao passo que, com os outros não são. 

Esta percepção me incomoda profundamente. No fundo, eu como Capricorniana, regida por "Chaturno" ,,queria  ser mais leve e sociável , mas tá aí uma coisa que não dá para nós Capricornianos. Podemos até ser muito sociáveis , adorar festas , reuniões com amigos, mas ser leve é querer demais. 

Para agravar esta aura pesada que Saturno nos oferece, eu ainda por cima sou um pouco grossa , rispida demais ao falar , e o tom da minha voz é quase de um transexual em tratamento hormonal. Então já deu para sacar que eu sou a típica amiga "chata" que os amigos mais chegados aprenderam a gostar e a respeitar, mas que jamaissssss em momento algum seria a melhor companhia para sair , beber, encher a cara , rir muito, e viver a vida adoidado porque simplesmemte isto não combina comigo. 

As vezes eu gostaria que ao menos os meus amigos e parentes mais proximos não tivessem tanto receio da minha sisudez Capricorniana  e provassem relaxar um pouco na minha presença "chaturnina". Logo que percebo o receio das pessoas eu automaticamente me travo, oque não é legal, mas é uma reação natural do meu regente Chaturno, e fica sempre no ar aquela atmosfera pesada . 

Não sei se isto ocorre com todos os outros Capricornianos, afinal, tudo depende do ascendente e da Lua também, mas confesso que estou ficando cansada de perceber, captar , emanar, introjetar ( expressão de Alberto Roberto) , as emanações do meu regente Saturno. 

Depois de conhecer esta Capricorniana que faz yoga ha mais de dez anos e ainda não conseguiu sublimar o seu caráter Capricorniano , fiquei meio desapontada, afinal , o meu objetivo no yoga era o de trazer um pouco de leveza para as minhas vibrações. 

Deus, na outra vida eu gostaria de nascer com o meu regente em Jupiter! Capricorniana sempre!!! Saturno não mais! 




quarta-feira, 7 de outubro de 2015

São apenas diferenças


                  Uma praça qualquer...


Quando vivemos por um largo tempo fora do nosso país, é inevitável que a cada retorno começemos a fazer comparações, positivas ou não. O retorno e a readaptação a realidade brasileira é sempre muito dura. Pelo menos para mim sempre foi assim.

Coisas simples como pegar um ônibus me causa  um certo desconforto. Aqui na cidade da minha tia, alguns ônibus possuem duas catracas, alguns tem cobradores, outros não. E o troco? Quase ninguém tem troco , e não é troco para 10,00 reais não, é troco para 5,00 reais. Outro dia andei de graça , desci pela porta da frente porque o cobrador não tinha troco. Nos supermercados também não é diferente. Nem pense em dar uma nota de 50,00 reais no caixa para pagar um produto que custa 15,00 reais. Aliás, quando o preço do produto é 14,90 , ou 9,99 reais, eu fico que nem idiota esperando o troco que não vem. Parece obvio não devolver centavos. 

E as ruas? Totalmente bombardeadas por fezes caninas. Alguns donos de caēs tem o bom senso de levar sacolinhas para recolher  as fezes de seus animais de estimação, mas nem todo mundo tem esta consciência. 

E o lixo jogado nas ruas ? Quanto mais avançamos para o suburbio de São Paulo, mais sujeira e muros pichados. Deixa a impressão de que suburbanos não gostam de limpeza, e que pobreza é sinal de imundice. 

Detalhes, coisas do dia-a-dia, que se tornam comuns aos olhos de quem vive dentro desta paisagem, e ao mesmo tempo retratam a mentalidade de um povo . 

Não quero estar afirmando que não existem coisas boas no Brasil, existem sim. E o melhor de tudo nesta terra de ninguém, é sem dúvida alguma o calor humano  e a simpatia do povo brasileiro. Talvez seja isto que me alegra todas as vezes que tenho que retornar ao Brasil. 

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Vênus & Netuno



Quando Vênus faz algum aspecto com Netuno pode ter a certeza de que os céus estão aprontando alguma armadilha para o seu pobre coração . Em bom aspecto , Netuno tende a nos envolver em um mar de quimérias e sonhos utópicos que podem até ser vivenciados com muito prazer , porém,  o excesso de idealização e nebulosidade deste aspecto pode criar situações que não funcionam na vida prática. 

Passaram-se dois meses desde que começei o meu tratamento dentário , e como eu já previa , me reapaixonei pelo meu dentista. Eu ja trato meus dentes com ele hà mais de dez anos. 

Aliás, quem nunca se apaixonou pelo seu dentista que jogue a primeira pedra. A relação paciente-dentista é próxima demais, até arriscaria dizer intima demais.

 Quem é que conhece o interior da sua boca melhor do que o seu dentista? Quem já te viu sem o ponta direita , ou sem o time todo e nem se aterrorizou com a imagem?Quem é que tem o "poder" de nos devolver sorrisos alinhados, funcionais e  estéticos?

Sim, apenas ele, o seu dentista de confiança. 

Confiança, esta é a palavra mágica que descreve a minha relação paciente-dentista. Para mim que sou Capricorniana com a Lua em Escorpião, confiar cegamente em alguém é tarefa quase que impossível , mas a confiança que deposito e provo pelo meu dentista é algo que vai além (completamente netuniano) de tudo que já vivi na minha vida no quesito "confiança". 

O mais interessante desta minha relação paciente-dentista é que existe uma certa reciprocidade na confiança que depositamos um no outro . Perceber tal empatia a cada consulta me enche de prazer e satisfação. 

Estamos planejando o meu proximo retorno,  para a segunda parte do meu tratamento , para daqui a mais um ano ou dois. E assim será. Retornarei novamente, de onde eu estiver . 

Além da confiança já existente nesta relação Venus X Netuno ( paciente-dentista) outro detalhe não menos significativo vem selar esta relação, a lealdade. 

Enquanto Vênus enxergar a Netuno com tamanha idealização a relação vai se desenrolando naturalmente , inundada de gentilezas e delicadezas. Eu (Vênus) , nem quero sair deste mar de nebulosidade (Netuno) e confiança cega. 







quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Humores Capricornianos



O sol decidiu sumir aqui em terras paulistanas, e para a felicidade de muitos paulistas e paulistanos que estavam sofrendo com a falta d'agua, São Pedro decidiu deixar as torneiras do céu abertas por um bom tempo. O tempo virou e aquele calor seco se transformou em tempo umido e chuvoso com trovejadas e baixa temperatura. Como não poderia ser diferente, eu peguei um resfriado basico por conta  destas mudanças  bruscas na temperatura. 

Hà mais de 5 ou 7 anos que eu não pego nem gripe, nem resfriado e nem influenza em terras nipônicas, mas è só eu apiar em terras paulistanas que rigorosamente devo pegar pelo menos um resfriadinho básico. 

Enfim, tempo chuvoso, céu nublado, e aquela sensação de : - Ai! Quero sumir daqui!

Claro que estar novamente entre amigos e parentes tem sido maravilhoso, mas eu preciso estar sozinha pelo menos uma vez por semana para recuperar as minhas energias, meditar, sossegar, aquietar , ou seja lá oque for. 

Alguns reencontros aqui em terras tupiniquins tem sido prazerosissimos, outros nem tanto. Tem muita gente querendo competir com a minha "chaturnice" , e por vezes , suportar certas chatices humanas me rompe le palle. Tá certo, eu admito que sou chata, afinal sou regida por Saturno, portanto, nem poderia ser diferente, mas tem gente que consegue ser chatinha ,repetitiva e enjoativa. 

Deus, afastai-os de mim, ou salvai-os de si mesmos, porque eu não tenho paciência, mas ao mesmo tempo não quero magoar ninguém. 

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Impressões de uma viajante


Hoje começa o mês de setembro , O   Sol està  à pino,  derretendo os miolos. Quase dois meses de Brasil e eu já estou cansada dos ares de um país que um dia chamei de "minha pátria". 
Como sempre, todas as vezes que volto ao Brasil a sensação é de que o tempo é mais longo e de que as coisas demoram muito a acontecer. Desta vez està um pouco pior. 

Ares de desânimo e pessimismo com o futuro da economia brasileira por todos os lados. E agora para piorar , o reflexo da crise chinesa parece estar dando pequenos efeitos na economia do Brasil. Imagine como serà na Àsia? 

Para uma Capricorniana da gema como eu, o cenário atual da economia global sempre traz muito pessimismo. É inevitável. 

Para piorar as minhas impressões pessimistas em relação a economia global, em especial a economia brasileira, na semana passada dois trombadões roubaram o carro da minha prima em plena zona residencial na zona leste de São Paulo. Eu que já ando um pouco neurótica com os assaltos a mão armada de São Paulo, fiquei só mais um pouquinho neurótica . 

Decididamente eu perdi a minha pátria. Se em epocas passadas eu tinha alguma objeção quanto a qualidade de vida na metrópole paulistana, o atual cenário me desalenta mais ainda.


segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Simplicidade



Viver muitos anos longe da nossa pátria , longe da família e amigos mais intimos , que de alguma forma foram um exemplo ou modelo a ser seguido (ou não) , nos ajuda a mergulhar profundamente no nosso verdadeiro self. A nossa essência. 

Voltamos a ser aquilo que éramos antes de sermos condicionados pela sociedade a seguir os passos da maioria. Tudo se torna mais claro e compreensível quando as máscaras começam a cair, pouco à pouco. As verdades  começam a perder o seu tom, e em seu lugar restam apenas dúvidas. 

Certezas, não as tenho mais. A vida é feita de meias-verdades , e aquilo que serve para mim pode não servir para o outro. 

Não vejo a dúvida como algo mal ( hoje não mais) , ela nos obriga a sair em busca  de respostas. Viver  é estar em eterna metamorfose. E na minha atual visão das "meias verdades" da vida, o mais importante é saber conviver com a essência de cada um, que é repleta de simplicidade. 

" o essencial é invisível aos olhos" 

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Em terras tupiniquins

   A avenida Paulista , sempre tão diferente de toda a São Paulo. Adoro caminhar por estes lados .



Diário de bordo - 4/08/2015 - Brasil - São Paulo  


Praticamente recèm chegada em terras tupiniquins (20 e poucos dias) , e a impressão que tenho é de já haver passado meses. No dia seguinte à minha chegada já tinha consulta marcada com o meu dentista . Sim, ele é "meu" porque eu o escolhi a dedo , entre tantos outros que já passaram pela minha boca....ops....pela minha vida.

 Logo na primeira semana já começamos com extrações , enxertos e implantes. Meu rosto ainda está bem inchado da cirurgia de levantamento de seio maxilar. É tipo, abrir um buraquinho no maxilar e encher de osso ( em pó) os espaços vazios do seio maxilar . Além desta cirurgia ainda fiz dois implantes pra aproveitar a cirurgia. Resumindo, sofri pra dedéu e me endividei toda com o meu dentista. 

Apesar do sofrimento e da facada que está sendo este meu tratamento dentário, ainda estou bem tranquila em relação ao tratamento em si e a divida . Sei lá! Algo me diz que tudo vai dar certo , no tempo certo. 

À parte do meu tratamento dentàrio, não tenho feito nada de diferente. Ainda não me encontrei com os poucos amigos que tenho por aqui , e pra dizer a verdade, ainda não sei dizer a quantas anda o Brasil. Assim como quando eu lia os noticiários brasileiros lá do Japão, ainda não consegui sentir na pele a verdadeira situação economica brasileira. Talvez eu nem queira sentir. 

O periodo é de espera, não tenho planos de permanecer por aqui. A minha vida ainda està muito ligada ao Japão, e se tudo correr dentro do esperado, dentro de no maximo tres meses estarei retornando ao Japão. País este que me acolheu muito bem e que aprendi a respeitar. Afinal, a minha vida começou a ter sentido à partir do momento em que aterrizei em terras nipônicas. Foi um grande e longo periodo de autoconhecimento, de solitudine e de paz interior, apesar dos pesares de se viver em uma sociedade culturalmente diversa à brasileira e das provações que passamos quando decidimos deixar a nossa zona de conforto e saímos por aí, em busca de nós mesmos. 




quarta-feira, 1 de julho de 2015

Chuva e compras

      Minha mais nova aquisição feita pela internet. 

Os meses que antecedem o verão japonês são de um largo periodo de chuvas que só vão terminar lá pelo  inicio de Agosto . E como estamos em junho , o auge  da temporada de chuvas no arquepèlago japonês, cá estou eu trancada no meu apartamento sem poder ir a lugar nenhum.

Tenho mil coisas por resolver durante a semana, mas como sair com chuva e ventos fortes? Fico aqui esperando que o dia seguinte seja menos chuvoso ou que o vento esteja a pelo menos uns 16 kmp/h. Enquanto eu espero o tempo melhorar a minha preocupaçáo maior é apenas o de acordar cedo para receber as compras que fiz na net. 

Já chegaram 3 encomendas em tres dias alternados. Agora faltam só os meus suplimentos tailandeses e a minha bolsa da  "Guess" que comprei por apenas cerca de 90 u$. 

Faça chuva ou faça sol os entregadores japoneses não atrasam a entrega , e com certeza até amanhã estará chegando mais uma encomenda. 

Adooorei a mala vermelho cereja que  comprei no Amazon.jp . Ela é tudo e um pouco mais  . Aliàs, tudo que eu comprei na Amazon japonesa é muito melhor do que o anunciado. 

Espero que atè amanhã o tempo melhore um pouco para que eu possa me locomover de bike até o ponto de ônibus , ou ir a pé,  sem que meus sapatos fiquem encharcados. Caso contràrio vou seguir aqui comprando tudo que preciso pela Amazon.jp.

Enquanto eu escrevia este texto me chega um novo email da Amazon.jp , avisando que a minha bolsa Guess já seguiu para a transportadora. Isto quer dizer que amanha tenho que levantar cedo de novo. 

Chuvinha por favor! páre agoraaaa! Essa Amazon.jp é eficiente demais e eu estou à toa demais no meu apartamento . Daqui a pouco vou querer encomendar até Pizza pela Amazon japonesa.



terça-feira, 30 de junho de 2015

Sobre a Lei do Universo



Estou para escrever este texto sobre a "Lei do Universo" tem um tempo, e ainda não consegui colocar as idéias na cabeça em ordem para escrever sobre este assunto, tão complexo ,tão simples e tão eficaz. 

A primeira vez que tive conhecimento desta Lei , eu estava participando de algumas reuniões de palestras do Budismo de Nitiren em São Paulo. Na época eu lia muitos livros sobre budismo, inclusive o tibetano e o chinês, mas ainda não tinha conhecimento o suficiente para distinguir entre uma linha de budismo e outra. E ainda não tenho.

Aos poucos fui lendo tudo que era matéria sobre essa tal Lei do Universo. Fui do budismo à Carl Jung ( psiquiatra suiço) ,  e à filosofia  hermética . Até Platão eu andei lendo. Mas será que só no século passado o homem era mais sábio e inteligente?

Com o lançamento do Livro  The Secret de Rhonda Byrne, pude  perceber que todas as religiōes e filosofias falavam do mesmo tema : a Lei do Universo, ou Deus . 

Você pode estar dentro de uma igreja, uma mesquita, ou em meio a natureza, esta força universal se manifestará da mesma forma , toda vez que ela seja bem direcionada. Pois o centro de origem desta força é você. Se você não crê nada acontece, se você não sente nada se manifesta . 

Sentimentos. Cheguei a conclusão de que todo o sentimento , independente de nossas ações físicas , é oque determina aquilo que iremos vivenciar. 

Sua vida está uma droga e nada se define ? Pare e pense qual é verdadeiro sentimento que vem norteando a sua vida?

Não é questão de ser bonzinho e agir sempre de forma correta com as pessoas. Tem muita gente correta que só se ferra nesta vida. Então onde é que estamos errando?

A resposta  está dentro de nós mesmos , em aquilo que sentimos . Naquele  sentimento oculto de insegurança que  não demonstramos  a ninguém, naquele medo de ser criticado, aquele medo de perder aquilo que já possuimos e aquilo que ainda nem possuimos. Tais medos ocultos ( sentimentos) vão norteando nossas vidas e    nunca perceberemos onde é que estamos  errando, até o momento de consentizar-nos   plenamente de nossas proprias emoções e harmonizar-nos com o Universo. 

Tá! É facil falar, dificil mesmo é manter tal equilibrio. Sim, é muito dificil, é preciso olhar muito profundamente dentro de sí mesmo, perceber qual emoção ou pensamento interno vem nos sabotando ao longo de nossas  vidas e  criando situações insatisfatórias. 

Filtrar pensamentos negativos ou brecá-los já é um grande passo, mas não adianta ficar apenas brecando pensamentos , é preciso com o tempo transforma-los .

 Aqueles sentimentos adquiridos na infância são os sentimentos que irão nortear nossas vidas, seja no aspecto profissional ou no pessoal. Tudo dependerá de como nos sentiamos e de como nos sentimos hoje. 

Tà aí a minha reflexão de hoje. 
Tentando mudar meus sentimentos para algumas questões práticas da minha vida.E eu garanto que funciona!





domingo, 28 de junho de 2015

Voluntariado


Todas as vezes que eu assisto a alguns programas japoneses sobre a vida de voluntários japoneses no Kênia ou em alguns países pobres da Àsia eu me emociono muito. Quase todas estas pessoas que se prestaram a ir viver em um país completamente diferente para servir como voluntários eram ex- funcionários públicos do governo que jogaram fora o terno e a gravata para viverem de chinelos e bermudas em meio a pobreza e dedicarem a vida a projetos sociais. 

Um programa chamado " konna tokoro ni nihonjin" ( um japonês em um lugar assim) apresentou nesta semana a historia de um casal de japoneses que largaram tudo para ir viver como voluntários no Kênia. Lá foram roubados e por muito tempo viveram na misèria com quatro filhos menores, a maior foi acometida por malária e por falta de medicamentos e hospitais veio a falecer. Desde então, começa a luta do casal para amenizar o sofrimento de maēs e seus filhos acometidos  por doenças infecciosas como a AIDS. A esposa se dedica a cuidar de crianças infectadas pela AIDS ,seu marido ( em outra cidade ) se dedica a formação estudantil de crianças pobres , e um de seus filhos se tornou médico para cuidar da saùde da população carente. 

Assistindo ao programa e a evolução da vida desta familia de voluntarios no Kenia que mesmo havendo perdido uma filha não desistiram de contribuir e dedicar suas vidas para salvar outras vidas , os meus olhos se encheram de lágrimas e quase me atraso para ir ao trabalho.

Decididamente eu tenho um pé no voluntariado já desde adolescente, só não sabia em quê eu poderia ser útil ,por  onde eu poderia começar e como começar se nunca tenho tempo ,pois trabalho para sobreviver. 

Daqui a duas semanas estarei voltando para o Brasil, justamente quando começam as inscrições para o voluntariado na Cruz Vermelha de São Paulo. Não pensei duas vezes e me inscrevi. Agora é esperar para ver se serei convocada logo ao chegar em São Paulo.

Não sei se irão me chamar, não  sei se sou aquilo que a Cruz Vermelha necessita no momento, não sei se a Cruz Vermelha Brasileira està com os seus dias contados por suspeitas de corrupção ( nem a Cruz Vermelha escapa)  também não sei se terei tempo o suficiente para me dedicar ao voluntariado durante o periodo que estarei em São Paulo, mas a primeira ação está feita, a minha inscrição. 

Agora é só esperar...

http://www.cvbsp.org.br/sejavoluntario/

Filosofia do "achismo"



Lendo um pouco sobre os ultimos acontecimentos no Brasil, particularmente sobre São Paulo para não aterrizar em Guarulhos feito uma alienígena que chega de um outro planeta, fui me deparando aos poucos com notícias e comentários que confirmam as palavras de um amigo . Uma vez ele me disse que o brasileiro vive a filosofia do " achismo", de que ninguém se informa de nada, não se posiciona ( nem direita, nem esquerda)  e ainda quer impor a própria opinião baseada  em "achismos". 

A ação de achar é diferente de pensar. Se você "acha" está supondo, se você "pensa" está afirmando.

Hoje em dia com a facilidade de acesso à internet todo mundo pode ter acesso a mil informações instantâneas , e aí é onde mora o perigo: as informações instantâneas.

Sites e blogs de notícia que frequentemente postam notícias com titulos apelativos e com duplo sentido. Se o leitor ou internauta , não abrir a página para ler a notícia inteira , e se também não tiver a mínima capacidade de interpretar um texto de forma correta, aquilo que prevalecerá será sempre o " titulo" noticiado com sensacionalismo . À começar por estes titulos  sensacionalista e a falta de hábito dos brasileiros em lerem artigos e textos com uma minima compreensão gramatical e conhecimentos gerais, leva à famosa "filosofia do achismo". 

Os comentários que encontro na net em lingua portuguesa ( português brasileiro) , sobre a atual situação econômica do Brasil são na maioria das vezes repetitivos e generalizados. Tudo é culpa do PT. Palpites e mais palpites. Comentários consistentes que realmente esclarecem e tem fundamento são muito raros.

Quem não està preocupado em saber quem "roubou a galinha do vizinho", mas quer realmente saber qual a atual  situação sócio-econômica do país e os prognösticos  para o futuro . Recomendo ler noticiários em inglês ( para quem tem fluência na lingua) ou o Euronews em português de portugal. Alí os comentarios são em menor quantidade e as críticas não são generalizadas, já que quem interpreta a notícia é alguém de fora com uma visão diferençiada do contexto e com uma outra filosofia ,ou  habitos culturais. Não que sejam melhores, mas sempre vale a pena saber qual a imagem do nosso país pelo mundo. 

Também não vale criticar quem está fora e vê o nosso Brasil com olhos críticos . A possibilidade de enxergar os dois lados de uma mesma  moeda só existe para quem observou atentamente sob os dois ângulos, ou para aquele que não està emocionalmente envolvido com o país. 

Quando dizem que o Brasil é uma grande ilha é bem verdade.


sábado, 27 de junho de 2015

Amanhã...é outro dia



Semana de preparativos para a minha viagem. Sim, acabei de voltar de Okinawa hà 4 meses e já estou de mudança, outra vez. Vida cigana.

A principio pensei em estar fora ( Brasil) apenas um mês para resolver questōes de ordem pessoal , mas os planos mudaram e talvez ...( eu disse,talvez) eu tenha que permanecer por mais tempo. Tudo vai depender do tempo que terei que restar em terras tupiniquins e nas propostas de trabalho aqui em terras nipônicas. 

Ultimamente a economia japonesa anda estranha e as empresas japonesas estão tendo que acatar mudanças na legislação trabalhista. Falta mão de obra e os salàrios estão pouco convidativos. Para quem gosta da vida no Japão e pretende viver por aqui sem estar muito preocupado em ficar rico, sempre tem algum trabalho. Afinal, o Japão é um país super -hiper industrializado e mesmo em tempos de crise a industria não pode parar por falta de mão-de-obra.

Existe uma expectativa muito grande para as Olimpiadas de 2020. Portanto, para quem fala japonês e inglês , com certeza haverá grande oferta de trabalho. Só não afirmo que o salário será convidativo.

No Brasil, não vejo muita animação com as Olimpiadas de 2016. Pelo menos nos noticiários eu não percebo muita expectativa. Creio que os japoneses são mais previdentes e organizados . Já estão se preparando 5 anos antes. 

Dependendo do que ocorrer ( completamente sem planos) , pode ser que seja uma boa coisa eu permanecer no Brasil até as Olimpiadas e no meio tempo estudar inglês em alguma escola para retornar ao país do Sol nascente com o meu inglês "perá,perá" ( fluente em linguagem popular japonesa) , visando as Olimpíadas de 2020. Vai saber?

Totalmente sem planos concretos vou seguindo a maré, e para onde o vento soprar lá vou eu . Sei que não é uma bela coisa viver conforme a maré, mas para quem já não sabe mais " onde" fincar raízes , o jeito é viver um dia atrás do outro e aproveitar todas as novas oportunidades que apareçam, independente de estar de um lado do planeta ou do outro. Só queria ter 20 anos à menos. 

Para dizer a verdade, o meu coração já decidiu para onde devo regressar, sempre que a maré estiver turbulenta, ou calma e plácida demais para o meu gosto.

Alma viajante. 

terça-feira, 23 de junho de 2015

O humor Capricorniano

                                                      Ah....Me deixa dormir !


Quem tem um amigo(a) , namorado(a), amante ou seja lá oque for, do signo de capricornio sabe muito bem como é conviver e lidar com o humor quase que rabugento destas  figuras fantásticas. Isto me inclui. Capricorniana da gema!



Pai Capricorniano/ mãe Capricorniana: 

Pai Capricorniano:  - Comprei esta lembrancinha pra você meu filho. (Capricornianos adoram demonstrar afeto com objetos).

Você: - Ahã, tà bom.

Pai Capricorniano: - Não agradece não?

Você: - ah...obrigado. 

Pai capricorniano: - levei o dia inteiro procurando este presente pra você, deixei de terminar meus projetos procurando essa porra desse presente pra você e nem um obrigado você é capaz de dizer? sua maē não soube te educar, te deu liberdade demais, carinho demais. E olha só a merda que você se tornou. Você não pode ser meu filho. Eu não sou assim, você deveria me respeitar. Sua mesada está suspensa por tempo indeterminado...e tem mais...blà...blá...blá...blá...blá...blá...blá...blá...blá...blá....blá...blá...blá...blá...bláááááá!


Namorada Capricorniana:

Você: - Amor, vamos pegar um cineminha hoje?

Namorada Capricorniana: - Pra quê?

Você: - Eu queria assistir aquele filme novo ...

Namorada Capricorniana: - Se você quiser vai sozinho, eu não aguento ficar sentada durante duas horas dentro daquelas salas cheias de gente respirando o mesmo ar que eu respiro. Além do mais, logo , logo sai em video gratís na internet e a gente pode assistir em casa sem gastar um tostão. Você viu quanto custa uma entrada de cinema? E a pipoca? Um absurdo!

Você: - Foi só uma idéia pra sair um pouco de casa, pensei que você queria...

Namorada Capricorniana: - Ah, então tá! Vamor sair.

Você: - Espera que vou colocar um tênis e já vamos.

Namorada Capricorniana: - Melhor colocar sapatos sociais. Aquele restaurante dos jardins não permite que entrem com roupa esportiva demais. 

Você: - ... ... ... E o cinema?...?


Amiga Capricorniana:

Você: - Decidi radicalizar e pintar o cabelo de louro. Gostou?

Amiga Capricorniana: - Eu preferia você antes. Esta cor te envelheceu.

Você: - ...Poxa! Obrigada pela sinceridade...

Amiga Capricorniana: - Cabelo louro só fica bem pra quem tem rosto claro, ou estilo  próprio. Além de te envelhecer tua cara parece mais redonda do que antes.

Você: - ... ... ... Me dá uma licencinha que eu vou ver porque o Bob tá latindo lá fora?


Namorado Capricorniano

Você: - Amorrrrrrr, vem logo deitar ❤️❤️

Namorado Capricorniano: - Espera que eu to ocupado terminando um relatório que tenho que entregar segunda sem falta.

Você: - Amorrrrrrrr, deixa isso pra depois. Vem logo, quero te mostrar uma coisa ❤️❤️❤️

Namorado capricorniano: - Tá! Oque é?

Você: - Deita  aqui do meu lado vai...❤️❤️

Namorado Capricorniano: - Eu disse que tava ocupado ne! Fala logo! Você já tomou banho?

Você: - Não...tava te esperando pra gente tomar juntos e depois deitar bem juntinhosssss ❤️❤️

Namorado Capricorniano: - E você deitou na minha cama sem limpar os pés? Sai, sai,sai. Vai  logo se lavar.

Você: ....mas, eu pensei que... ... ... ... ...

domingo, 21 de junho de 2015

Aridez Capricorniana



Todo mundo sabe que o signo de Capricornio è um pouco sequinho né? Isto se comparado a alguns signos do elemento água ou fogo. Aliás, nem é preciso fazer comparações zodiacais, o signo  de Capricornio é arido por natureza mesmo.

Também, olha só a fama do regente Saturno/Chronos , aquele que comeu os filhos sem dó. E o elemento? Pode  existir coisa mais seca , dura , e fixa do que a terra?

Capricornianos podem ser perfeitos em muitas coisas, mas no amor...tsc...tsc...

Hoje fiz uma nova tirada de tarot no site do Personare, o site é ótimo e as tiradas de tarot funcionam que é uma beleza. Basta concentrar-se. 

Lá fui eu fazer uma consulta  só pra ver se o tarot confirmava o meu momento atual. 

Certeiro! Deu um periodo de racionalidade profunda e falta de romantismo, oque não é bom para iniciar relacionamentos amorosos ne! Porisso, nem vou tentar.

Na verdade, nem estou muito pra romantismo, aventuras e paixões loucas que não levam a um final oportuno ou conveniente. Eh, porque final feliz só existe em novela, na vida real aquilo que nos resta é a conveniência. Que falta de romantismo e doçura não?!

Nem adianta eu tentar mudar esta vibração porque é mais forte do que eu. Aridez Capricorniana total!

Seriam os meus aspectos em Plutão? Estou com uma conjunção Sol/Plutão càrmica e outras quadraturas com Plutão e Saturno. Não dá pra ser feliz assim ne! A leveza do ser passou longe destes aspectos sizudos. 

Li algumas interpretações sobre Sol em conjunção com Plutão e uma que me chamou a atenção é a de ser desmascarada enquanto dure este aspecto, ou seja, o pior de mim ( Capricornio) estaria exposto, estampado no meu rosto e no meu comportamento pra todo mundo ver. Ou seja, aquilo que eu sempre quiz esconder , amenizar, apaziguar, colorir e suavizar no meu caráter 100% Capricorniano agora estará escancarado. 

Vixi! Nem eu me suporto quando me deixo dominar pelos ares sizudos de Saturno com toda aquela seriedade, humor sarcástico, frieza e falta de emoções humanas. Sim, as vezes a frieza emocional é tanta que nós Capricornianos conseguimos ver lógica em absolutamente tudo.

Não sei quanto aos outros Capricornianos, tudo depende do posicionamento da Lua e do ascendente pra amenizar tais características , mas as minhas emoções são bem secas , não fosse a minha Lua em Escorpião que me ajuda  a equilibrar um pouco tamanha aridez de emoções, mesclando secura com explosões passionais. Tudo de bom né!

Sol em Capricornio ( terra) , ascendente em Touro ( terra) e Lua em Escorpião ( àgua) . Esta mistura de dois que chifram e um que pica não é lá das mais doces pra moldar uma personalidade feminina. 

Completamente Capricorniana neste periodo, estou tendo que me aceitar assim como sou na minha pior versão. A versão verdadeira,  sem truques e sem maquiagens. 

Algumas caracteristicas que tentei durante anos amenizar e as vezes esconder dos outros estão vindo a tona. O autoritarismo, a soberba, o orgulho, o egoísmo , o pão-durismo, e o prazer quase que sexual de manipular as pessoas  sempre com alguma intenção estratégica, são apenas algumas características negativas do signo que estão enraizadas no meu ser : Sol em capricornio, venus em capricornio e mercurio em capricornio.  

Não adianta fugir, nem tentar suavizar e docificar tantos aspectos em Capricornio, diga-se de passagem em Saturno , ou deus Chronos , aquele que comeu os filhos. 

Pode existir representação mais meiga do que Chronos o senhor do tempo comendo uma pedra achando que era um de seus filhos?



Coisas que aprendemos estando fora do Brasil



Após viver tantos anos inserida dentro da cultura nipônica, é muito dificil , ou quase impossível voltar a ser quem eramos antes de vivenciar tal experiência. 

Quando vim ao Japão pela primeira vez não tinha idéia do quanto eu era mal educada. 

Jogar bitucas de cigarro pelas ruas era uma coisa normal para mim, hoje não consigo mais jogar nenhuma bituca de cigarro na rua e tenho sempre comigo o meu cinzeiro portátil. 

Sentar de pernas abertas ou cruzadas ( fazendo um quatro) era hábito normal, hoje penso duas vezes antes de me sentar desleixadamente em locais públicos. 

Atender ligações do celular dentro de transportes coletivos também era uma coisa muito normal, hoje desligo o celular antes mesmo de entrar em algum ônibus. 

Encontrar dinheiro esquecido no caixa eletrônico seria pura sorte na minha antiga mentalidade tupiniquin, hoje respeito a lei japonesa e entrego o dinheiro ao responsável do estabelecimento, seja loja de conveniência ou banco. Existe uma lei aqui no Japão para achados e perdidos com punição para quem não as segue.

Separar o lixo era outra coisa que não gostava muito de fazer , hoje não consigo mais jogar embalagens plásticas no lixo sem lava-las primeiro e separara-las devidamente. 

Fila! nossa! Odiava ter que enfrentar filas e sempre dava um jeitinho de passar na frente, hoje é a coisa mais natural e lógica, esperar a minha vez. 

Rodizio semanal para limpeza do ambiente de trabalho. Acho que isto nem existe no Brasil, mas fui obrigada a aceitar as regras japonesas e me revezar com meus colegas para lavar banheiro, varrer escadas e o refeitório. Além de levar todos os dias um saquinho para jogar o meu lixo do almoço e traze-lo para casa. 

Almoçar na rua , em restaurantes , com o famoso ticket-refeição era um luxo quando estava no Brasil, hoje preparo o meu próprio obentô ( marmita japonesa) ou vou comer um ramen rapido pago do meu bolso, assim como o fazem muitos executivos japoneses. Aqui, o habito de levar marmita de casa é quase uma tradição e ninguém tem vergonha de comer o seu obentô em qualquer lugar. Seja na mesa do escritório, no refeitorio da fabrica, em uma praça  ou dentro do carro. É bem mais economico também. 

Buzinar no trânsito me parecia uma coisa tão óbvia no transito louco de São Paulo, aqui ninguém fica buzinando a toa, e isto vale também para os ciclistas. 

Falar alto, ouvir musica ou promover festinhas barulhentas após um certo horário era coisa normal no Brasil, aqui a lei do silêncio é respeitada e se algum vizinho se incomodar, você corre o risco de ter uma visitinha da polícia local. 

Uniformes. No Brasil apenas algumas empresas exigem , aqui a coisa é bem diferente. Todo mundo usa uniformes no trabalho. Eu, particularmente acho ótimo. Economizo horrores com roupas e calçados que só compro mesmo para sair ou viajar.


Outra coisa que aprendi aqui em terras nipônicas é apreciar a beleza da natureza e contemplar suas formas e cores. Coisa que eu não fazia vivendo em uma cidade de pedra como São Paulo. 

Andar de bicicleta para mim era apenas a passeio, hoje uso a minha bicicleta como meu principal meio de locomoção. Muito mais econômico , não poluo o ar , e sou uma pessoa a menos engarrafando o transito. 

Existem tantas outras coisas que aprendi estando aqui em terras nipônicas, estas são apenas algumas.  

Nestas horas fico me perguntando se eu seria capaz de viver novamente no Brasil ?




segunda-feira, 8 de junho de 2015

A compaixão humana




Sempre que leio alguns comentários na net, ridicularizando , criticando ou fazendo piadas grosseiras com pessoas que se encontram em um estado terminal, ou que infelizmente já cumpriram a sua missão na terra, fico horrorizada e decepcionada com a mentalidade de algumas pessoas que se dizem, ou que nasceram em um lar cristão. 

Triste mesmo é constatar que , tais pessoas não existem apenas no nosso universo tupiniquin, elas estão por todas as partes. Criticando, julgando e sentenciando on-line.

Lendo ao "Il fatto cotidiano"  , um jornal de origem e lingua italiana, sobre o falecimento por leucemia do Ken humano brasileiro ( existe um outro americano) , pude constatar que os comentàrios maldosos  que eu havia lido em português-brasileiro, com referência à mesma noticia se repetiam também em uma outra língua, a italiana. 

Naquele momento, me imaginei na Roma Antiga, em plena arena romana, onde pessoas espalhadas por toda a arena ( Coliseun) se divertiam ao assistir duelos mortais entre humanos e animais. Execuções impiedosas eram reclamadas por espectadores famintos por ação e sangue. 

Talvez eu esteja exagerando ao fazer tal comparação , só porque lí alguns comentários maldosos na net  em apenas duas línguas. Imaginem se eu lesse em japonês, inglês ou alemão? Já iria logo associar a maldade humana  e a falta de compaixão, as atrocidades   da segunda guerra mundial. 

Eu ando divagando e viajando na maionese ao associar fatos ( comportamento)  tão antigos da história humana aos dias de hoje? 

Não sei não. Nada mudou , até o sinalzinho de " não curti " ( polegar apontando para baixo) do facebook é igual ao sinal que os romanos faziam em arena para que executassem alguma alma em plena arena romana. 

domingo, 7 de junho de 2015

Monólogos de uma viajante




Sabe uma coisa que percebí nestes meus longos anos de "viajante"? 

Apesar de viver aqui em terras nipônicas como a tantos outros brasileiros dekaseguis ( termo utilizado para definir uma pessoa que viaja para longe a trabalho) , eu não me considero nem dekasegui e nem imigrante. Obviamente que no inicio , assim como a tantos outros brasileiros que aterrizaram em terras nipônicas em busca de trabalho por tempo determinado ( media de 2 a 3 anos) , eu também vim ao Japão com muitos planos na cabeça. 

Com o passar do tempo, a crise econômica,  questões de ordem pessoal ( familiar) ,e muitas experiências e vivências malucas ( tanto aqui ,quanto em outras terras) ,  fui ficando e deixando  de lado a principal razão que me fez atravessar o mundo. 

Para retornar ao nosso país de origem e recomeçar a vida do zero é preciso ter muita determinação e motivos reais para retornar. Não dá para brincar de ex-patriado sem ter consciência das consequências que trazem tal decisão. 

Uma das consequências é estar fora do mercado de trabalho, outra é deixar a deriva os laços sentimentais que nos unem ao nosso país. Familia , amigos ...lembranças. 

Com o passar do tempo percebemos que laços familiares não passam de "laços" , que se desfazem com o tempo caso você não o puxe do lado certo ( com as duas mãos) . 

Amigos , aqueles verdadeiros sempre entenderão a nossa  transição e as mudanças que ocorrem no nosso modo de ser e pensar após tal experiência de  viver um longo tempo inseridos  em uma sociedade totalmente diferente da brasileira. 

Quanto a aqueles amigos que nem eram assim tão verdadeiros, nunca conseguirão entender que já  não somos mais  os mesmos de alguns anos atrás, mas insistirão em nos  tratar como se nada tivesse mudado, nos causando um certo desconforto.  Impossível não mudar, o próprio tempo já se encarregará  de boa parte desta mudança. 

As lembranças, esta sim , com o tempo se transformam em saudades e em algum momento mais emocional nos impulsionará a retornar em busca daquilo que nos faz tanta falta vivendo em terras estrangeiras. A familia, a vida social, os amigos e tantas facilidades em poder expressar aquilo que pensamos na nossa lingua maē. Deixar de ser um semi-analfabeto em terras estrangeiras já é um grande alívio. 

Após tomarmos  consciência da  condição de não-dekasegui ( não mais) , e não-imigrante, vem aquela sensação de sem-pátria. Nem planos ( nem vontade) de regressar ao nosso país e nem planos de ficar o resto da vida em um determinado país estrangeiro para fincar raízes. 

Sem raízes , a vida se torna uma grande viagem em busca de um porto seguro. Em determinados momentos qualquer lugar parece servir, ao mesmo tempo, nenhum lugar parece ser o ideal. 

Por mais estranho que pareça, aquilo  que nos alimenta e nos impulsiona a seguir em frente é o tal friozinho na barriga de viver novos desafios em terras estranhas,  e a aventura de viver cada dia como se estivessemos em um pequeno barco à vela , à deriva. 


sábado, 30 de maio de 2015

Tranquilidade


Ontem fui trabalhar e como não havia nada para fazer dei meia volta e voltei pra casa. Aqui no Japão tem umas regras meio estranhas , do tipo, enrolar no trabalho mesmo que não tenha nada para fazer. Como eu não gosto de ficar enrolando, decidi voltar pra casa.

Três dia em casa para quem vive de salário remunerado por horas de trabalho é um prejuizo grandinho no orçamento mensal, mas eu não tô nem aí! Não que eu não precise de dindim , mas decidi me permitir estar tranquila neste periodo de novas mudanças e tantas coisinhas " chatas" por resolver antes da minha viagem ao Brasil.

Sim, vou de novo viajar, mas desta vez é por necessidade. Se eu pudesse viajava para a thailandia ou Indonesia ao invés de Brasil. Fazer oquê? 

Liguei para uma grandissima amiga peruana que tenho aqui no Japão e a chamei para passarmos o dia a toa e sair a noite para comer algo. Estranho como as minhas melhores amigas aqui no Japão nunca foram as brasileiras e sim as peruanas e japonesas. Não sei explicar este fenômeno. As vezes chego a acreditar naquilo que dizem de nós brasileiros por aqui, de que ninguém se ajuda e que somos desunidos demais em comparação com os outros estrangeiros que vivem aqui. 

Enquanto minha amiga tira um cochilo ( roncando feito uma vaca) , aproveitei para lavar minhas roupas e fazer minhas unhas. Logo  mais, a noite vou acorda-la para irmos comer alguma coisa. 

Dia tranquilo. Amizade leve. Confiança. É disso que gosto! 

sexta-feira, 29 de maio de 2015

O 11 é do bem ou do mal?




Além da astrologia, outro assunto que me interessa muito é a Numerologia. Ainda não consegui entender a utilidade da numerologia, mas como sou muito curiosa, estou sempre fuçando tudo oque  é misterioso, oculto ou mágico demais para ser compreendido .

A melhor análise numerologica que vi até o momento é do Grupovenus, um site espanhol de astrologia que abrange também a numerologia . Neste site é possivel calcular o nosso mapa numerologico mundano e o espiritual . Muito certeiro. 

Como tenho algum conhecimento (pouco) sobre os números e suas influências em nossas vidas , costumo sempre calcular por exemplo , o número dos apartamentos que vou morar, ou o numero das casas de pessoas pröximas.

Meu número de destino , segundo a numerologia é um numero Mestre, o 11. Ainda não entendi direito qual a minha missão na vida, ou melhor dizer, até entendi que o 11 tem um contexto muito espiritualizado, mas não sei por onde começar a cumprir a minha missão de vida segundo a Numerologia. 

Apesar deste número ser um numero mestre e toralmente espiritualizado, o numero 11 tem sido associado também a grandes tragédias. Então, qual seria a relação da espiritualidade de quem possui este numero como destino e a repetição deste numero em grandes tragédias?

Quando eu estive na minha cidade Natal, um acontecimento terrivel marcou aquela pacata cidade. Duas garotas foram assassinadas por um conhecido da familia dentro de casa . E adivinha que dia era?Dia  11/11/2011. Acho que nunca vou me esquecer deste ocorrido em função da data. 

Também outros acidentes muito anunciados na midia tiveram ocorrencia em dias que somados ao mês e ano resultavam no numero 11. Mas é um numero do mal ou é pura coincidência morbida?

Outro dia li em um comentario que na Biblia, Deus  seria o 10 e o demonio o 11. Mas como todo mundo sabe que a Igreja cristã sempre foi contra o ocultismo ( isto inclui a astrologia) , eu não dou muita bola para tais comentários. Além do mais, se na numerologia o 11 é um numero espiritualizado, eu prefiro acreditar que o demo passou bem longe de mim e que tais tragèdias associadas ao numero 11 é mera intriga da oposição e pura coincidência. 

Coincidências que se repetem na minha vida. Isto sim me intrigam  muito. Assim como o caso das garotas assassinadas na minha cidade, em um bairro bem proximo de onde eu estava, a data da tragédia que assolou o Japão com um tsunami de 14 metros de altura ocorreu também quando eu estava aqui , a 11/03/2011.

Não é que eu fique calculando o numero de tudo ao meu redor, mas de vez em quando, quando invento de calcular algum numero frequentemente resulta em 11. Claro que as vezes resultam em outros numeros também, mas este numero sempre está presente por onde quer que eu va. 

Coincidências? Sim, pode ser. Mas para mim a coincidência é um numero consideravel de repetições e por mais que seja apenas "mera coincidência" tem um porquê de suceder com tanta frequência. 

E qual o porquê de tais coincidências? Não sei, mas sempre existe uma   causa ou uma raiz plantada no inconsciente coletivo. 

Consciência




Por acaso , estava eu buscando informações sobre implantes dentários na net quando me deparei com imagens de implantes faciais. Meu Deus! Quantas historias de superação!

Assim como os implantes dentários que tem durabilidade de 10, 20 anos ou até mesmo a vida toda dependendo dos cuidados , os implantes faciais tem em média durabilidade de 20 a 30 anos. A unica e mortal diferença é que um implantado facial deverá viver o resto da vida tomando medicamentos para frear a rejeição ao corpo estranho. Processo que diminui sensivelmente as defesas imunolögicas do organismo. Além do provavel risco de perder o implante em 20 ou 30 anos e a vida também. 

Como sou super hiper reflexiva , fiquei aqui pensando com os meus botões...

Eu aqui preocupada com os meus implantes dentários ( cairam todos) e com a estética dos meus dentes , enquanto existem pessoas que tiveram que superar a rejeição de outros e a propria por sua condição fisica. 

Eu preocupada com manchas na pele, ruguinhas, gordurinhas, cabelos e tantas outras vaidades , enquanto existem pessoas que dariam tudo para ter um rosto para ter manchas, ruguinhas ao invés de queimaduras pelo corpo todo ( caso Jaqueline Saburrido) , cabelos reais ao invés de perucas. 

Eu aqui reclamando da falta de opção de produtos variados no mercado , enquanto muita gente daria tudo por um ovo frito ou água limpa para beber. 

É nestes momentos que eu me conscientizo do quanto eu reclamo de absolutamente tudo ( dom Capricorniano) e do quanto eu sou mal agradecida por ter um corpo perfeito, com celulite, gordurinhas, ruguinhas, manchinhas e tudo mais que um corpo normal possa ter. Também percebo o quanto eu trato mal desta maquina que me conduz por este mundão à fora. 

Parar de reclamar da vida é o desafio capricorniano que eu lanço para mim mesma á partir de hoje. Agradecer ao Universo por poder viver uma vida tão rica de historias e aventuras, apesar dos pesares, dos contra-tempos e dos reveses do destino. Agradecer por ter um corpo saudável, apesar dos meus implantes terem caido. 

O segundo desafio é o de parar de criticar o mundo. Este eu vou deixar pra depois. Cada coisa ao seu tempo. Tudo de uma só vez não dá!




domingo, 24 de maio de 2015

Um dia de paz


Estar em paz é poder dormir profundamente ( minimo 8 horas) sem ninguém roncando ao seu lado. É despertar lentamente , espreguiçar-se , esticar o braço e começar a apertar todos os controles remotos ainda deitado na cama. 

Minha rotina tem sido bem essa aos finais de semana. Durmo super bem ,Graças a Deus! Desde que aprendi a esvaziar a mente de preocupações desnecessárias ( algumas nem tão desnecessárias) , através de muita leitura da filosofia budista, fui controlando os turbilhões da minha mente e hoje não sofro mais de insônia. Ah, também parei de beber chá matte à noite. 

Nestes anos que vivi sozinha , aprendi que o ser humano não pode viver sozinho, mas ao mesmo tempo , precisamos de momentos a sós para eliminar emoções e vibrações que não nos pertecem. Ou seja, o dia inteiro estamos interagindo com pessoas e ambientes carregados de vibrações, boas ou más. Ter um momento para a limpeza de tais vibrações e voltar ao nosso estado original é tão necessàrio quanto beber àgua . Pelo menos para a minha paz interior  tem sido assim. 

É ilusão pensar que podemos estar em harmonia com o Universo 24 horas quando se vive em sociedade. Sempre tem alguém emanando alguma energia ao seu lado, ou pior, sugando a nossa energia vital, mesmo sem nem perceber.

Como eu ando neste processo de limpeza de mim mesma, não ando muito receptiva ao lixo alheio. Cada um que recicle os seus. 

O momento atual é de paz e tranquilidade. Claro que esta dádiva de Deus não vai durar pra sempre, mas queria deixar registrado aqui no meu diário de bordo a sensação do momento. 

Encontrando paz e prazer em coisas simples da vida.

 Levantar cedo, tomar um cafezinho bem quente, um belo pedaço de bolo suflê de queijo, e muito, muito silêncio. Não tem preço!


Brasil x Japão



Nesta semana , enquanto jantavamos no refeitório , a minha amiga japa me fez esta pergunta: - Mas você afinal de contas se sente mais japonesa ou mais brasileira?

Se fosse a alguns anos atrás eu responderia sem titubear que sou brasileira com muito orgulho, mas a minha resposta foi a seguinte: - Nem uma coisa e nem outra. 

A minha amiga seguiu insistindo ( ela quer que eu seja japonesa) , e me questionou que o meu pai é japonês legítimo, portanto, eu não sou mesclada com outras raças, o meu sangue é 100% japonês e blá, blá, blá...

Fui obrigada a esclarecer para a minha amiga que quando um filho (a) de japonês legítimo nasce em terras estrangeiras , estuda e cresce em terras estrangeiras é considerado " nikkei". Ou seja, de origem japonesa porèm produto de fabricação nacional. Não posso usar um selo " made in Japan" só porque tenho sangue e ascendencia japonesa. 

Quando vivemos e convivemos com japoneses legitimos aqui no Japão, podemos perceber claramente esta legitimidade nipônica no modo de ser ( japanese style) de cada um que difere muito com o modo de ser dos nikkeis brasileiros , que ao mesmo tempo diferem com o modo de ser dos brasileiros de ascendência diversas . 

Este tipo de questionamento sempre me deixa meio ...Sei lá?

Antes de viver aqui no Japao e na Suiça , eu tinha certeza de que eu era " japonesa" . Depois que a minha " condição" foi exposta e questionada em outras culturas, hoje eu me sinto um produto genérico. Sempre digo que sou oriental de ascendência japonesa e passaporte brasileiro. 

Eh, e o meu cuore è cosa? 

Quer dizer, e o meu coração é o quê?

Não saberei responder no momento atual. Cigano?

sexta-feira, 8 de maio de 2015

Gratidão


                       Monte Fuji - Patrimonio Mundial - Unesco - Shizuoka- ken

Todos os dias quando saio para trabalhar a pé ou de bicicleta ( cerca de 10 minutos) eu faço uma oração para que o meu dia de trabalho seja sempre tranquilo e harmonioso. Peço também muita paz , saúde e harmonia para todos os meus colegas japas e estrangeiros. E não é que isso funciona?

Há mais de 7 anos trabalhando no mesmo local, entre idas  e vindas, demissões e readmissões. Todas as vezes que eu me encontro em apuros aqui na terrinha do Sol nascente eu acabo voltando para o meu antigo trabalho. É como mágica, ou um acordo invisível. Quando eu preciso deles é justamente o momento que eles precisam de mim. E assim, já fui readmitida umas 3 vezes no decorrer destes 7 anos aqui em Shizuoka.

Credito toda esta "sorte" as minhas orações diárias , desde o primeiro dia que adentrei pela portaria. Claro que neste periodo todo nem tudo foi fácil e harmonioso, mas na contagem geral tudo teve um lado positivo. 

Hoje , lá fui eu trabalhar e começei a fazer as minhas orações ( como sempre) , e quando criamos este hábito diário, por vezes as orações se tornam mecânicas e sem sentimento algum, mas hoje em especial fiz a minha oração com um profundo sentimento de gratidão por poder estar aqui de novo, independente do tempo que me reste . Pode ser que o meu contrato não seja renovado.

Apesar do risco, ainda me sinto grata por poder estar aqui. Olhei em volta, o estacionamento, os jardins, o Out- door logo na entrada e me veio uma sensação de nunca ter saído daqui. 

Obrigada Shizuoka-ken , por me fazer sentir sempre como se eu estivesse voltando para casa.


sábado, 2 de maio de 2015

Sogno e realtà

   Meu vizinho Totoro ( tonari no Totoro) , criação do famosissimo estudio Ghibli em Toquio. 


Qual era o seu sonho de infância? 
Ultimamente tenho recebido muitos convites de italianos e italianas no facebook que simplesmente amam a cultura japonesa. Para uma grande maioria , conhecer o Japão era um sonho de infância. Muitos foram influenciados por desenhos animados japoneses que por sinal são muito conhecidos mundialmente. Um dos locais mais frequentados por italianos em visita ao Japão é o famoso Studio Ghibli a Toquio, aquele estudio que lançou desenhos animados famosissimos como o Totoro, que por sinal eu também assisti mil vezes e adoro. 
Enfim, a minha percepção de hoje é, que quando temos um sonho de infância, em algum momento da vida o realizaremos de alguma forma,  por mais impossível que pareça. A vida tende a nos cercar de mil possibilidades o tempo todo,  mas nós estamos sempre mais conectados ( até subconscientemente) a aquilo que de alguma forma nos marcou em uma idade mais tenra. Seja no convivio familiar , programas de tv, educação escolar nos primeiros anos, ou qualquer outra coisa que nos tenha prendido muito a atenção e despertado um natural interesse pelo assunto. Digo natural porque muitas vezes somos condicionados pelos nossos pais a sermos e seguirmos aquilo que eles pensam ser o melhor para nós. 

Eu quando criança não desgrudava da frente da tv , era simplesmente louca por filmes de mitologia grega e romances alla italiana. Meus atores prediletos eram Sofia Loren, Claudia Cardinale e Marcello Mastroniani. Obviamente que além de tais programas de tv eu adorava as séries de desenhos animados japoneses, tipo a Princesa Safiri, Heidi, Pinóquio , entre tantos outros.

Hoje, após passados muitos anos ( e bota tempo nisso) , percebo que a minha vida está impregnada de realidades ligadas aos meus sonhos de infância que foram fabricados naquelas tardes semanais em frente a tv quando eu tinha lá meus 9 ou 10 anos de idade. 

Realizei o meu sonho de conhecer o país de meus atores italianos prediletos, aprendi a lingua, fiz amizades virtuais e não virtuais com muitos italianos de todas as regiões da Itália, conheci a cidade de Pinóquio e também de Heidi a menina camponesa suiça dos desenhos japoneses que eu assistia. Sem contar que, estou no país do estudio que criou o Totoro, o Ultra-seven e a Princesa Safiri. 

Bem, eu tenho um outro sonho , mais de adolescência que de infância. Este sonho é impublicável  por ser pessoal demais, e apesar de ainda nem ter passado perto dele, este sonho de adolescência é quase uma fixação ( culpa do meu Sol na casa 8), uma meta deveras realista. 

Com esta percepção de hoje, concluo que, correr atrás de sonhos impossiveis é mais fácil do que se pensa. Dificil mesmo ( para nós sonhadores ) é o de concluir  metas objetivas à curto e medio prazo. 

quinta-feira, 30 de abril de 2015

Cobrador da NHK




Hà anos que eu venho driblando os cobradores da NHK , a rede de tv do governo japonês. Pra dizer a verdade eu não conheço nenhum japonês que pague ao governo pelas imagens da NHK. Aqui no Japao todo e qualquer ser vivo que tenha televisão em casa é obrigado a pagar uma taxa ao governo.

Os cobradores da NHK são como aqueles vendedores de enciclopédia , ou testemunhas de Jeová que batem a sua porta nos momentos mais inadequados. Aliás, não existe momento adequado para eles, serão sempre recebidos com uma certa hostilidade.

Quem mandou eu abrir a porta? 
Eu nunca abro a porta para estranhos . Olhei pelo buraco do visor e um senhor  de uns cinquenta e tantos anos , todo bem vestido estava do lado de fora. Quem poderia imaginar que era um cobrador da NHK?

Normalmente eu sempre me escapo dizendo que não entendo direito o japonês e me recuso a pagar algo que eu não entenda. Perco um tempão discutindo com o cobrador e peço a ele que volte no dia seguinte. Claro que no dia seguinte eu não abro a porta nem que haja um terremoto.

Desta vez, o cobrador foi mais esperto e rápido do que eu imaginava. Quando eu disse que  não estava  entendendo o japonês, ele disse que falava fluentemente em inglês, eu retruquei que não entendia o inglês. O cobrador mais que depressa sacou de sua pasta um folheto ilustrado e traduzido em português. Fiquei sem reação...pedi para ele voltar no dia seguinte pois estava atrasada para o trabalho ( era verdade) , mas ele com o seu gatilho rapido sacou de sua pasta uma maquininha de leitura de cartão de débito. 

Não sei como ? Em menos de 5 minutos este senhor conseguiu aquilo que outros em 10 anos nunca conseguiram, me cobrar a taxa de transmissão da NHK. 

Bem...eu me rendo. Eu vou pagar, caso eu não mude de idéia até o primeiro vencimento em junho...